EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/UMA HISTÓRIA IMOBILIÁRIA | TR Revista

EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/UMA HISTÓRIA IMOBILIÁRIA



 

Nesses tempos quando acontecem céleres as demolições de nossos antigos casarões - e o aproveitamento de suas agora grandes áreas baldias para os cada vez mais concorridos estacionamentos no centro da cidade - é bem sabido que os locais aguardam os projetos dos futuros espigões que ali terão endereço.
Nesses tempos de tombamentos literais de muitos dos nossos patrimônios arquitetônicos dois vetustos casarões no centro da cidade chamam a atenção pelas suas belezas e historicidades.
Um tem território na movimentada Rua Dr. Valmir Peçanha e o outro na não menos movimentada Rua Quatorze de Dezembro.
As belas edificações são contemporâneas. Surgiram nos meados dos anos de 1950 e tiveram importantes personagens da nossa História recente como proprietários: os médicos Octávio Freitas e Nicodemo Roseli.
Respeitados profissionais amealhavam grande clientela e faziam brilhante parte do corpo médico do Hospital Nossa Senhora da Conceição. Além do exercício na medicina também viviam uma frenética vida política em Três Rios.O primeiro forte componente das hostes do antigo PTB e o segundo das fileiras do PSD. Dr.Octávio pertencia à tradicional família trirriense e Dr. Roseli era egresso de São Paulo de onde jovem, logo após a sua colação de grau, aportara por aqui.
Tanto a medicina quanto a política fizera nascer uma lamentável e virulenta inimizade entre os dois grandes médicos - a quem interessar muito dos embates estão registrados em páginas da nossa História.
As construções das suas mansões, ao dizer das línguas da época, foram embaladas pelo clima da disputa entre construir a de maior beleza. Concluídas as obras ganhou Três Rios e seus moradores pela formosura dos imóveis que nos propiciam tão pulcras paisagens.
Por lamentável,  o belo palacete da Rua Dr. Valmir Peçanha sofreu grande processo de descaracterização, e hoje dá lugar a um movimentado estacionamento e a sua área frontal externa, que outrora apresentava um bonito jardim florido , atualmente é retalhado ocupado por cochicholos comerciais.
Felizmente a mansão da Rua Quatorze de Dezembro - hoje sob nova propriedade que não a construtora- permanece íntegra em suas linhas originais,alegrando nossos olhos às paisagens dos nossos patrimônios arquitetônicos ainda preservados.