POR QUE OS CÃES TEMEM OS FOGOS DE ARTIFÍCIO? | TR Revista

POR QUE OS CÃES TEMEM OS FOGOS DE ARTIFÍCIO?



 * Haydeé Silva

 Dentro de algumas horas a Seleção Brasileira entra em campo para disputar mais uma partida pela Copa do Mundo, e  os donos de cachorros vão se deparar de novo com um velho problema.  Antes mesmo do jogo começar, têm início o foguetório, que atormenta os pets e deixa seus donos sem saber o que fazer.

 Mas por que será que os animaizinhos têm tanto medo dos fogos de artifício? Geralmente eles entram em desespero ao ouvir explosões, babam, tremem e, muitas vezes, tentam entrar em locais pequenos demais para eles ou se jogar pela janela. O estresse pode ser tanto que, no dia seguinte, ficam doentes ou se machucam seriamente. Segundo os veterinários, o medo ocorre porque barulho alto pode significar perigo. Explosões  passam a ideia de que algo grande e poderoso se aproxima, como árvores caindo, relâmpagos, etc., e até  mesmo dentro de  casa um barulho alto pode significar perigo. Pode ocorrer de um móvel pesado cair, e o cão sair correndo, tentando se proteger para não sair ferido.

O medo que os cães têm dos fogos de artifício não se deve, ao contrário do que muitos pensam, à dor provocada pelo barulho. Os animais têm aparelho auditivo sensível, mas não é por causa de  dor que eles ficam  assustados. A verdadeira causa é a associação que fazem de perigo com determinado barulho.
Trauma

Sempre que se assusta demais, o cão pode desenvolver trauma. Se um barulho muito forte o apavorar, outros ruídos semelhantes passarão a causar medo enorme, simplesmente por estarem associados ao grande susto inicial. É o que acontece quando um cão começa a tremer e a ficar ansioso com trovões fracos, bem distantes. Há casos em que a umidade do ar, o vento e a mudança da luminosidade são associados com o perigo de barulhos altos. Ou seja, antes mesmo de a tempestade se formar, o cão já pode estar sofrendo. E há casos, felizmente raros, de cães que morreram durante uma tempestade, apesar de estarem abrigados da chuva. A causa pode ter sido o barulho dos trovões.

 Infelizmente, não é fácil resolver esse problema. Mas algumas dicas podem ajudar a amenizar o sofrimento dos pets:

  • Abrigue-o em local de confiança e protegido
    Muitos cães normalmente escolhem um lugar para se abrigarem quando estão com medo. Se esse for o caso do seu cão, procure respeitar o local escolhido por ele, por mais estranho que seja, e deixe que ele fique lá. Se possível, vede portas e janelas. Melhor ainda se o local escolhido for familiar ao cão, o quarto do dono, por exemplo, pode deixa-lo mais seguro.
  • Acostume seu cão a ouvir sons altos, como rádio e televisão, e use esses aparelhos durante o foguetório, para encobrir o barulho.
  • Acostumar aos poucos
    Sempre que você e o cão ouvirem um barulho semelhante ao que o deixa com medo,  comemore com ele – dê petiscos, jogue bola, etc. Tente não demonstrar  que você também  se assustou com  o barulho. Você deve ser forte e passar segurança, e o exercício só funcionará se o cão se sentir relativamente seguro. Portanto,  não se agache para protegê-lo quando houver um estrondo. Para ele, o ato de agachar pode ser sinal de medo.

 

  • Retire correntes e coleiras

Deixe o cão solto durante as comemorações. Correntes e coleiras são perigosos, ele pode tentar fugir e acabará se enforcando. Cuidado também com janelas e sacadas. Assustado, o animal tentará pular, se machucando seriamente.

Importante: nunca castigue o seu cão, se ele se mostrar agressivo diante de situações estressantes. Lembre-se de que os animais não raciocinam, eles são puro instinto,e de defendem como podem. Também não abra a porta da casa para quem ele procure abrigo na rua. Sua casa é também a casa dele, onde ele deve ser protegido e amado. Ao mandá-lo "passear" durante um foguetório, você corre o risco de não  ve-lo nunca mais.

* Jornalista