SAÚDE/VOCÊ TEM FOME DE QUÊ? | TR Revista

SAÚDE/VOCÊ TEM FOME DE QUÊ?



 

A compulsão alimentar é um transtorno psicológico ocasionado por  diversos fatores, entre eles  os endócrinos e os emocionais. Dietas muito severas e  grandes perdas, como de um ente querido, desemprego e/ou falta de dinheiro, também podem levar ao surgimento deste transtorno, que tem cura quando identificado e tratado juntamente com um psicólogo e orientação nutricional. Isso porque com  a ajuda do psicólogo é possível identificar a razão que desencadeou a compulsão e, assim, diminuir os sintomas e garantir melhora na qualidade de vida e bem-estar do paciente. O acompanhamento com um nutricionista também é importante para que o paciente não fique desnutrido e consiga  controlar seus impulsos alimentares.

Os principais sintomas indicativos de compulsão alimentar são:

  • Comer exageradamente
  • Comer mesmo sem fome
  • Ter dificuldade em parar de comer
  • Sensação de  “culpa” após comer exageradamente
  • Comer alimentos estranhos como macarrão  cru, um pote de manteiga, feijão gelado, catchup ou outros molhos e temperos consumidos  puros
  • Comer muito rápido
  • Comer escondido;
  • Prazer exagerado ao comer
  • Pouca preocupação com o excesso de peso.

A pessoa compulsiva, num momento de descontrole total, pode ingerir mais de 10 mil calorias num curto espaço de tempo, quando o normal seria  comer em média 1200 calorias por dia.

Tratamento 

É recomendado que o tratamento para compulsão alimentar seja iniciado por meio de consulta com um psicólogo, pois assim é possível identificar o que levou à compulsão alimentar e, dessa forma, trabalhar esse aspecto durante as sessões de terapia. E importante ressaltar que é preciso algum tempo para que o efeito do tratamento seja notado, variando de uma pessoa para outra.

Através das sessões de terapia  os sintomas de compulsão alimentar podem começar a  diminuir, sendo importante o tratamento complementar com remédios, que deve ser feito com acompanhamento  médico (psiquiatra ou endocrinologista), e orientação nutricional.

O uso de medicamentos é importante para regular a função hormonal e, assim, diminuir a fome física e emocional gerada por ansiedade, estresse e depressão.

O acompanhamento com um nutricionista é importante para orientar o paciente sobre o  que  comer e quando comer, podendo dar dicas preciosas para vencer a fome, comendo alimentos certos. Já os exercícios servem para melhorar o humor e desviar a atenção da comida, enquanto que as sessões de psicoterapia serão fundamentais  para tratar a parte emocional do indivíduo. (Fonte: https://www.tuasaude.com/sintomas-da-compulsao-alimentar/)