TR ENTREVISTA O SUBSECRETÁRIO DE ORDEM PÚBLICA | TR Revista

TR ENTREVISTA O SUBSECRETÁRIO DE ORDEM PÚBLICA



A falta de locais para estacionar vem sendo um problema recorrente em Três Rios. Nos últimos dias, proprietários de veículos estacionados irregularmente foram advertidos pelos fiscais da PMTR, motivando uma série de reclamações através das redes sociais. Sobre o assunto, a reportagem do TR Revista ouviu com exclusividade o Subsecretário de Ordem Pública, Luciano João Soares Filho. 

Falando sobre o problema dos carros abandonados, Luciano afirmou que os mesmos são identificados pelo aspecto que apresentam. Veículos sujos, com lixo acumulado ao redor   ou embaixo, estacionados no mesmo local há muito tempo, recebem o adesivo de advertência, e os proprietários, quando identificados, são notificados para fazer a remoção. Caso a providência não seja tomada dentro do prazo (geralmente dez dias), o veículo é levado  para o depósito público. Para reaver, é necessário o pagamento da estadia e da despesa com o reboque. Segundo o subsecretário, na maioria das vezes os carros não são retirados, e dentro de 90 dias vão a leilão como sucata. O maior número de veículos abandonados é registrado nos bairros, entre eles a Rua Direita, onde frequentemente acontece a atuação dos fiscais.

A falta de garagem em algumas casas e prédios faz com que muitas vezes os carros sejam deixados em frente às residências dos proprietários, o que, segundo o subsecretário, é uma prática legal, desde que não se trate de local onde é proibido estacionar. “A pessoa tem todo o direito de deixar seu carro próximo à sua  casa, pode ser até mais de um veículo, não há problema. O que é irregular, e passível de multa, é o estacionamento sobre a calçada”, afirmou. A fiscalização do estacionamento sobre as calçadas, inclusive nos finais de semana, é feita pelos guardas municipais e pela PM.

Cabe também à Subsecretaria de Ordem Pública a fiscalização das seguintes irregularidades:   colocação de cartazes em locais públicos; comércio de  ambulantes; utilização das calçadas como prolongamento dos bares, com a colocação de mesas e cadeiras; estacionamento em vagas reservadas para idosos e portadores de deficiência; estacionamento nas portas das farmácias e garagens, nos locais destinados a carga e descarga e pontos de taxi.

Além dos fiscais, a subsecretaria conta com cerca de 100 guardas municipais, sendo 10 deles encarregados da fiscalização do trânsito. Na Central de Monitoramento, que funciona 24 horas por dia, atuam um guarda municipal e um policial militar, “em integração perfeita”, ressaltou o subsecretário. O serviço, segundo Luciano Soares, vem contribuindo para a significativa diminuição do número de crimes em Três Rios. As câmeras foram trocadas por equipamentos modernos,  de melhor resolução e nas quatro entradas da cidade (BR 393, Ponte das Garças, Puris e Trevo do Cantagalo), começa a funcionar brevemente o sistema de leitores de placas, para identificação de todos os veículos que chegarem à cidade. O sistema de monitoramento vem servido de modelo para vários municípios, entre eles Paty do Alferes, Petrópolis, Queimados Petrópolis e Levy Gasparian.

Luciano Soares tem vasta experiência na área da segurança pública. Formado em Administração Pública e Segurança Pública e Social pela UFF, foi policial civil por 20 anos, ocupando o cargo de chefe de investigação em várias delegacias do Rio de Janeiro. Foi assistente do Chefe de Polícia Civil do Estado do Rio, Fernando Veloso, e ultimamente estava lotado na Core - Coordenadoria de Recursos Especiais. A capacitação e valorização dos guardas municipais é uma de suas preocupações.  Dentro de quinze dias deverá estar em Três Rios uma equipe da Core, para treinar os guardas, e   ele deve enviar brevemente à Câmara de Vereadores a Lei Orgânica da categoria.  “A Guarda Municipal de Três Rios existe há 35 anos, e nunca teve um regulamento específico sobre seus direitos e deveres, sendo regida pelo estatuto dos servidores municipais”, ressaltou.