EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/ SOMOS TODOS CAPELA N SRA DA PIEDADE! | TR Revista

EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/ SOMOS TODOS CAPELA N SRA DA PIEDADE!



Conclamo a comunidade católica de Três Rios, às suas autoridades, ao nosso empresariado, aos amantes de cultura e da História, enfim... ao orgulhoso povo trirriense a se unir em uma grande cruzada para tentar salvar a nossa principal relíquia histórica: a Capela Nossa Senhora da Piedade. Construída em 1824, fazia parte do complexo da grande Fazenda Cantagalo. Comporta todo um maravilhoso e raro conjunto de arte, de cultura e de História.

Apresenta, por todos os cantos, maravilhosa e rara decoração artística do século XIX. Um bem colocado exemplo é a obra postumária que comporta interna e externamente e seus limites. Todo o seu requintado conjunto, não raro, encanta a visitantes que não poupam elogios sobre essa riqueza cultural, paisagística, artística e histórica trirriense, contudo, palavras entremeadas de lamentos pelo estado de decomposição crescente que apresenta a construção - o primeiro templo católico de Três Rios, é importante essa citação. A bem da verdade a capela é de propriedade da Irmandade de Nossa Senhora da Piedade, de Paraíba do Sul - administradora da Casa de Caridade de Paraíba do Sul. O templo é imóvel remanescente do fausto que foi a sede da Fazenda Cantagalo. A única lembrança concreta que restou. A bem da verdade,  a capela é de propriedade da Irmandade de Nossa Senhora da Piedade, de Paraíba do Sul - administradora da Casa de Caridade de Paraíba do Sul. O templo é imóvel remanescente do fausto que foi a sede da Fazenda Cantagalo.A única lembrança concreta que restou. Em 1938, com a emancipação do distrito de Entre-Rios, a capela ficou na jurisdição do novo município. Daí teve início um grande impasse. Um jogo-de-empurra sobre a sua conservação.

Vez por outra, lá e cá, davam à capela um trato paliativo, nada que atendesse sua real necessidade de uma obra na sua infra-estrutura numa tentativa de iniciar cuidados de preservação. Finalmente, a nossa Secretaria Municipal de Cultura celebrou convênio com a Irmandade de Nossa Senhora da Piedade e,  assim,  viu-se capaz de requerer verba ao Ministério da Cultura para a sonhada restauração. Em 2014, 500 mil reais foram depositados nos cofres do município para a cobertura das obras tão necessárias. Aconteceu que as obras não foram realizadas e tal verba terminou sua vigência. Perdemos. 

Aos mais interessados em saber os argumentos do poder público municipal, favor acessar matéria da TV Rio Sul que se encontra em minha página, momento em que o Secretário Municipal de Cultura dá a sua versão para a perda da tão necessária verba. Mais um momento de fragilidade da Capela Nossa Senhora da Piedade. Faço votos que o novo governo municipal tenha PIEDADE  da nossa relíquia histórica.

E, em tempo: foi  esta que vos escreve que,  em 1984, quando secretária executiva do antigo Conselho Municipal de Cultura, autorizada pela sua presidência, requereu, redigiu, montou processo, fez provas, acompanhou técnicos, para que a Capela Nossa Senhora da Piedade conseguisse tombamento histórico pelo INEPAC - e a propósito, o primeiro de Três Rios. Assim, fica o apelo: SOMOS TODA CAPELA NOSSA SENHORA DA PIEDADE!