EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/UM DIA IMPORTANTE PARA A POLÍTICA DE TR | TR Revista

EZILMA TEIXEIRA RELEMBRA/UM DIA IMPORTANTE PARA A POLÍTICA DE TR



Dentro do conjunto de textos que ando publicando sobre o ABC das eleições trirrienses, um acontecimento – que 1 neste 13 de agosto, crava 126 anos de ocorrência - é fundamental para a cultura política daquele candidato que queira dizer-se conhecedor da evolução institucional de Três Rios.
É muito importante que nossos candidatos compreendam que sinaliza o bom senso e a ética política que se conheça ao menos os fundamentos básicos da gênesis trirriense, do seu engatinhar, seus primeiros passos, o afirmar-se e o florescer da terra na qual se pretende exercer certo tipo de liderança.
É fundamental para o candidato compreender que o nosso burgo - hoje pronto e acabado - merece o bom conhecimento dessas lições mínimas da sua formação política. Ferramenta indispensável para a sua aprovação no “ vestibular “ da titulação nos cargos eletivos ambicionados, sem a qual se evidenciará um analfabetismo das tradições onde se pretende colher o pomo dourado de um mandato institucional.

Até antes de 1858 nosso território era apenas uma colônia pertencente à grande fazenda Cantagalo, passando a povoado quando por esses idos teve início a movimentação para a construção da estrada carroçável União e Indústria, inaugurada três anos após, inclusive com estabelecimento de uma grande estação rodoviária que veio dotar o tímido povoado de um relativo movimento.
Em 1867, com a chegada da ferrovia, tal movimento quadruplicara o aumento da sua população, atraída pelos empregos gerados pela estrada de ferro, com a vinda de comerciantes –muitos deles imigrantes – com o aforamento de terras permitido pelo testamento da Condessa do Rio Novo ( executado em 1886) e mais um conjunto de melhoramentos que deu mais corpo e trânsito ao local.
Localidade tradicionalmente ligada ao antigo município de Paraíba do Sul, Entre-Rios, pela sua inegável promissão,  foi elevada à categoria de 2º distrito sul-paraibano a 13 de agosto de 1890, através do decreto executivo da República, nº 214. Essa categoria distrital teve vida por 48 anos até que, em 1938, através de vibrante movimento popular, conseguiu sua emancipação tornando-se município autônomo.
Não apenas o município entrerriense nascera pelo clamor do seu povo, mas também o ideal do antigo povoado ser elevado à categoria de distrito movimentou grande parcela dos seus moradores, também com uma liderança onde citamos duas importantes figuras, hoje imortalizadas como nomes de ruas do centro da cidade: Gomes Porto e Nelson Viana, esse, inclusive, logo eleito nosso primeiro vereador, “vereador distrital”, (uma inovação da constituição estadual daqueles idos).
A elevação de Entre- Rios à categoria de distrito trouxe grande status para a terra: Cartório de Paz, Subdelegacia e outros insumos oficiais essenciais ao início da formação do seu perfil político.
Por esse feito considero o dia de hoje muito importante para o calendário municipal, um acontecimento espécie de passaporte para hoje sermos um município - um cobiçado município pela multidão de nossos candidatos.
Dou inestimável valor ao que se comemora no dia de hoje. Não sei os demais. (Foto: vista do distrito de Entre-Rios)